Ler por aí
 
31 de Janeiro de 2018

inéditos.jpg

  

Ora aqui está uma óptima ideia. O expresso está a oferecer, a quem assina ou compra o semanário, contos de vários escritores em vários formatos: livro, audiobook e ebook.

Claro que o formato que neste momento mais me interessa é o audiobook. Tenho andado a ouvir audiobooks em Inglês e vai ser óptimo comparar essa experiência com esta. Já ouvi um bocadinho do primeiro (Macau Noir, de Clara Ferreira Alves) na voz da Rita Redshoes. Para já estou a gostar da escolha da voz - coisa importantíssima num audiobook e do conto em si mas preciso de o ouvir com algum sossego para, de facto, o aproveitar.

A voz masculina de alguns dos contos será de Bento Rodrigues.

Para já estão disponíveis os volumes 1 e 2, mas abaixo fica a lista completa (surripada, assim como as imagens da página do Expresso)

 

Volume 1 | 20 de janeiro | Clara Ferreira Alves | Bruno Vieira do Amaral
Volume 2 | 27 de janeiro | Afonso Cruz | João Tordo
Volume 3 | 3 de fevereiro | Maria Teresa Horta | Patrícia Reis
Volume 4 | 10 de fevereiro| Afonso Reis Cabral | Isabela Figueiredo
Volume 5 | 17 de fevereiro | Nuno Camarneiro | Isabel Rio Novo
Volume 6 | 24 de fevereiro | Nuno Júdice | Matilde Campilho
 

mw-960.jpg

 

publicado por Patrícia às 07:00 link do post
29 de Janeiro de 2018

 

00_wb_us.jpg

 Mais um livro do universo Cosmere lido. Talvez um dos ideais para começar a ler Sanderson. Aparentemente mais simples e leve que outros livros do autor tem, como sempre, uma fantástica construção de mundo e de personagens. 

Um novo sistema de magia, BioChromatic Breath, num mundo onde pessoas comuns, após morrerem, regressam como deuses. Lightsong é um deus que, apesar de ter retornado - e aparentemente ter morrido de forma heróica - não acredita na sua própria divindade e passa o tempo a tentar convencer as pessoas de Hallandren disso. Lightsong é um personagem delicioso. Acho que é impossível não ficarmos um bocadinho apaixonadas por ele. 

Siri e Vivenna, duas irmãs, princesas de um reino inimigo que não podiam ser mais diferentes. Vivenna é educada para, quando fizer 22 anos, ser entregue em casamento ao Deus-Rei de Hallandren mas acaba por ser Siri, a irmã rebelde, a ser enviada - sem qualquer preparação - para ser a mãe do próximo deus-rei.

Vasher e Denth, mercenários que entram nesta história sem revelar de imediato as suas intenções. Mas também eles terão um papel decisivo. 

Como sempre o desenvolvimento dos personagens e o sistema de magia são os pontos fortes da história. E como sempre Sanderson consegue fazer algo completamente diferente e surpreender-nos. 
Este é um mundo de cor. De diferentes níveis de cores. Um mundo onde o BioChromatic Breath é moeda de poder. Imaginem que este BioChromatic Breath é algo que todos nós temos. Um por pessoa. E que é o que nos permite ver o mundo em cores brilhantes, que sem ele passamos para um mundo a preto e branco. E que este BioChromatic Breath é transmissível. Podemos sobreviver sem ele mas os que retornam, os deuses deste mundo, precisam de um por semana para sobreviver. E quem tem muitos atinge vários níveis de poder. 

Como vos disse, LightSong é maravilhoso. O melhor personagem deste livro. Quer dizer, LightSong é o melhor personagem deste livro se não considerarmos Nightblood e o seu estranho sentido de justiça. E foi por causa de Nightblood que ouvi este livro. 

Sim, depois de ter relido o The Way of Kings e o Words of Radiance em audiobook, aventurei-me num audiobook em inglês sem ter lido o livro antes. Ao longo de algumas semanas, Lightsong e companhia fizeram-me companhia enquanto ia para o trabalho. Tinha algum receio mas a verdade é que consegui mergulhar neste mundo com relativa facilidade. E adorei. 

Não é o melhor livro do Sanderson mas é bom, é muito bom. E é importante para quem, como eu, está a ler os The Stormlight Archives. Vou ter que ir reler as partes do WoR em que a NightBlood dá um ar de sua graça (e sei que vou reler essa parte de uma forma absolutamente diferente) e que não consigo deixar de ter algum medo só de pensar nela em Roshar (Oh god, não vai bonito).

A maravilhosa magem que aqui está, foi descaradamente roubada do site do autor onde, para além dos já habituais comentários e fabulosa galeria de imagens, podem encontrar as várias versões - incluindo a final - deste livro. Sim, leram bem. O Sanderson partilhou com todos os seus leitores as várias fases da construção deste livro. Sim, podem lê-lo de borla. Ide lá e boas leituras.

 

Colors...

 

publicado por Patrícia às 07:00 link do post
13 de Janeiro de 2018

Impossível dizer melhor. 

Screen Shot 2018-01-13 at 11.15.36.png

 

 

publicado por Patrícia às 11:09 link do post
01 de Janeiro de 2018

Pois.. isso. Não há.

Lamento se vieram ao engano, pelo título, à espera de listas de livros que espero ler ou de metas númericas ou de projectos especiais.

Até acho piada a essas listas mas comigo nunca funcionam. Claro que espero ler alguns livros. Quero acabar o Oathbringer e continuar a ler livos no universo de Cosmere (cá em casa já estão o Elantris e o Arcanum Unbounded), quero ler o Os loucos da Rua Mazur de João Pinto Coelho, quero ler o Por este rio acima, da Patrícia Reis. Quero reler o Jerusalém do GMT e o O conde de Monte Cristo. Quero continuar a ler Virginia Woolf, Maria Manuel Viana e Jane Austen. Quero conhecer novos escritores, quero ler coisas diferentes. 

A verdade é que, por motivos pessoais, ando sem tempo nem cabeça para leituras. E não sei se isso vai mudar. Mas a literatura é e sempre será importante na minha vida. Não interessa se leio muito ou pouco. O importante é ler. 

Para vocês os meus votos são os do costume: boas leituras em 2018.

publicado por Patrícia às 10:26 link do post
28 de Dezembro de 2017

Relembrando um dos Direitos dos Leitores, mais especificamente o segundo, hoje venho falar-vos de não gostar de um livro.

Pessoas, vamos lá a perceber: é normal que haja quem não gosta daquele livro que nós adorámos. É normal que duas pessoas diferentes tenham opiniões diferentes acerca do mesmo livro. É normal que nós não gostemos de um livro que outra pessoa gostou.

Como diz uma amiga minha, é por isso que o mundo não tomba. Diria ainda mais: não é só normal como saudável e espectacular que 2 duas pessoas diferentes tenham opiniões diferentes acerca de um livro.

Quando alguém não gostar daquele livro que vocês gostaram, não façam birra, não se armem em crianças mal-educadas e não vejam isso como um ataque pessoal. Mesmo que a pessoa diga (ou escreva): “aquele livro é uma merda” não precisam ficar ofendidos, a grande probabilidade é que seja apenas um desabafo parvo e não uma ofensa mortal (e se ao dizer isso a pessoa vos estiver a tentar ofender, então tb ela se está a comportar como uma criança mal-educada que merece dois tabefes).

Quando alguém não gostar daquele livro que vocês gostaram, falem com essa pessoa, oiçam as suas razões, tentem mostrar-lhe outro ponto de vista, expliquem como e porquê gostaram do livro e acabem amigos como sempre. Ou um bocadinho mais amigos porque partilhar uma gargalhada (e este género de conversa entre 2 pessoas normais geralmente acaba em gargalhada) é o melhor caminho para fazer crescer uma amizade.

 

(sim, estou metida numa discussão porque alguém disse que o Warbreaker é “rubbish” e há pessoas super, mega ofendidas com isso. Oh gentinha mais palerma)

publicado por Patrícia às 16:57 link do post
27 de Dezembro de 2017

Em Janeiro começou o ano em que finalmente tive que me render às evidências e admitir que  Nem todas as baleias voam, que por mais que nos esforcemos por fugir, a realidade atropela-nos.  O lobo solitário que sou recusou, em Fevereiro, a companhia  Harry Potter e a Criança amaldiçoada e foi aí que comecei a escrever a minha história n'A máquina de Joseph Walser ... mas tal tornou-se desinteressante pelo que renascer como contado n' O Evangelho segundo Lázaro  foi a única opção.

Em Março mergulhei n'Os dez livros de Santiago Boccanegra  na excelente companhia dO velho e o Gato.  Mas Abril veio e como Não se pode morar nos olhos de um gato  cruzei-me com A mulher-sem-cabeça e o homem-do-mau-olhado  e a confusão foi tal que dava para escrever um O quinto evangelho e ainda assim não vos contava a história toda.

Depois da confusão e já No silêncio de Deus  encontrei em Maio Uma magia mais escura  que me permitiu reflectir, parar, fazer uma pausa  para que em Junho pudesse Aprender a rezar na era da técnica.

Em Julho regressei a Scadrial, cruzei-me com O homem Pintado*  e com o Hoid  na Liga da Lei (The Alloy of law).  Agosto foi um mês estranho, o calor que se sentia Noite e dia  fez-me pensar no que  Uma senhora Nunca, mas nunca deve fazer... Mas que faz. Porque é divertido. Mesmo que o mundo dê a volta e um'A lança do deserto*, numa espécie de efeito borboleta, nos transfome, a mim a Lisboa, n'A Avó e a Neve Russa .

Em Setembro, mesmo com o Way of kings** não houve forma de evitar um'A guerra diurna*  porque, em Outubro, o Orlando , com  Words of radiance*, deu a volta à Noiva do tradutor* e  acabaram por viver felizes para sempre em Novembro numa Edgedancer à moda de Cosmere.

 

* Livros (ainda) sem opinião escrita aqui no blog

**Audiobook (releitura)

publicado por Patrícia às 14:38 link do post
tags:
19 de Dezembro de 2017

Nos últimos anos tenho lido muita coisa diferente. Participei em grupos de leitura. Entrei para o mais fantástico grupo literário de Lisboa e arredores (falo, claro, da Roda dos Livros). Descobri escritores fantásticos. Descobri a literatura portuguesa. Falei com escritores ou, o mais espectacular, ouvi-os falar e tantas vezes até conversei com eles. Fui a apresentações de livros não só por ter interesse no livro em si mas muito por sentir carinho por aquele escritor. Vi amigos passarem de leitores a escritores. Aplaudi-os com orgulho. Pedi autógrafos. Eu, a pessoa mais envergonhada do mundo, pedi autógrafos! Comprei livros. Mais do que os que consegui ler mas não faz mal. Escrevi muitas opiniões aqui no blog e (loucura das loucuras) li livros sobre os quais não escrevi nada. Tirei muitas fotografias do meu gato com os meus livros. Descobri que não me interessa o que quem quer que seja pensa sobre as minhas leituras. Leio com o mesmo prazer um livro que me obriga a parar e reflectir e um livro de leitura compulsiva. Descobri que os meus escritores favoritos são a Maria Manuel Viana (com quem já falei várias vezes mas de quem não tenho nenhum autógrafo) e o Gonçalo M.Tavares (a quem pedi um autógrafo na feira do livro) mas neste momento estou obcecada com os livros do Brandon Sanderson (por cujo autógrafo não esperei). Ouvi podcasts sobre livros. Ouvi os meus primeiros audiobooks. Fiquei fã de audiobooks, porque estes me salvaram a sanidade mental nos últimos meses. Li ebooks. Comprei livros que já tinha lido (em ebook ou emprestados) porque simplesmente tinham que fazer parte da minha estante. Li Virginia Woolf e adorei. Tive as mais espectaculares conversas sobre livros com as meninas que leram o "A gramática do medo". Descobri Cosmere e meu mundo literário nunca mais será o mesmo. Passei semanas sem ler. Esperei pelo lançamento de um livro com ansiedade. Li blogs, vi vídeos e descobri que o que gostava mesmo de fazer era um podcast. Dificilmente acontecerá mas é o formato de que mais gosto.

Tive gente a ler este blog mesmo que os post rareiem cada vez mais. Tive gente a comentar. A todos vocês um Muito Obrigada. Tem sido giro. 

publicado por Patrícia às 10:33 link do post
tags:
06 de Dezembro de 2017

Malala.jpg

 

Ontem, andava eu a fazer compras de Natal na Bertrand, dei de caras com a famigerada* Agenda Doméstica 2018 da Porto Editora (que ainda por cima estava em destaque) e a primeira coisa que pensei foi em pousar os livros que estava a comprar e sair dali. Mas olhei para o lado e vi o livro da Malala.  Depois de uma divertida conversa com os livreiros e da minha sugestão de que, em destaque, deveria estar o livro "O lápis mágico da Malala" em vez daquela coisa (e da desilusão de saber que aquilo vende) resolvi antes fazer discriminação positiva e comprar o livro daquela miúda que explica tão bem porque é que é tão importante ser feminista, lutar pela igualdade de oportunidades e direitos.

O livro, infantil, é delicioso, e uma excelente oportunidade de transmitir e incutir, aos mais pequenos, valores fundamentais para se ser um ser humano decente.

Qualquer criança é o produto da educação que pais, educadores e amigos transmitem. É muito engraçado isso estar tão patente neste livro. 

Portanto achei que não havia melhor forma de iniciar as sugestões livrescas para o Natal de 2018 do que com este "O lápis mágico de Malala".

Que cada um de nós rabisque o seu lápis um mundo melhor.

 

 

*Se não sabem o que é a Agenda Doméstica 2018 considerem-se felizes e não vão à procura (dá azia). 

publicado por Patrícia às 13:16 link do post
tags:
24 de Novembro de 2017

Ando há demasiado tempo, por razões pessoais e profissionais, arredada dos eventos literários. Falhei, com grande tristeza minha, todos os festivais de literatura dos últimos meses. Mas hoje começo a "vingar-me". Vou regressar, em grande, aos eventos, às apresentações e às leituras (até isso ficou numa espécie de limbo nos últimos meses).

Ir a uma apresentação de um livro é sempre interessante mas é ainda melhor quando conhecemos a escritora. A Carla (e os seus livros) foram uma das coisas boas que este blog me trouxe. Comecei por acompanhar o seu monster blues, li alguns dos livros e, porque temos algumas paixões - a gata dela é linda, linda - e causas em comum, volta e meia vamos conversando, trocando impressões por essas redes sociais...

Hoje é dia de a ir apoiar e comprar o seu "Limões na madrugada". Para ajudar à festa, alguns excertos vão ser livros pela divertidíssima Ana Saragoça

É hoje, na Fnac do Oeiras Parque, às 19h. Vamos lá?

 

Limões.jpg

 

 

publicado por Patrícia às 10:18 link do post
20 de Novembro de 2017

Foi o próprio Brandon Sanderson quem me disse que tinha que antes de ler o Oathbringer, o terceiro volume da maravilhosa série de fantasia  The Sormlight Archive, deveria ler a novela Edgedancer. Calma, não tenho (infelizmente) linha directa para o senhor mas há uma nota do autor no início deste livro que diz isso mesmo. E eu fui por isso "obrigada" (uma chatice, convenhamos) a ir imediatamente comprar o Arcanum Unbounded, a colectânea de Short Stories (de Cosmere) que o senhor lançou no ano passado. Nesta colectânea estão pela primeira vez reunidas todas as novelas do universo Cosmere. Isso significa que aqui estão a novela gráfica White Sand e Edgedancer entre histórias que nos levarão de volta aos mundos de Mistborn e de Elantris.

Screen Shot 2017-11-19 at 12.46.03.png

 

Uma vez que Edgedancer se passa entre os acontecimentos de Words of Radiance (WoR) e Oathbringer deve, para evitar spoilers e falta de informação, ser lido entre os dois. Além disso Edgedancer é "apenas" uma novela com uma das minhas personagens favoritas como protagonista: a doce, doida e maravilhosa Lift.

Quem já leu WoR deve ter-se apercebido que Lift é uma persoangem com futuro. Aliás, o autor já prometeu que será uma das personagens em destaque na segunda parte da saga dos Stormlight Archives (5+5 livros).

Nesta história acompanhamos a Lift (e o seu voidbringer de estimação) na sua transformação em Edgedancer, no percurso que a leva à proclamação das palavras que reforçam o laço existente entre ela e a spren. Ambos são deliciosos e super divertidos. É impossível não querer mimar aquela miúda, não sofrer com a sua solidão e não admirar a força necessária para fazer o que tem que ser feito, abraçar quem deve ser abraçado, mesmo (ou principalmente) quando isso custa muito.

Voltar a Roshar, acompanhar e compreender a queda de um deus na companhia de Lift é muito bom.

Até aqui, numa short story (há que entender o "short" na perspectiva do Sanderson, ok?), o autor é exímio no desenvolvimento das personagens.

As restantes histórias de Arcanum Unbounded ficam para mais tarde porque agora é tempo de rever o Kaladin e a Syl, o Dalinar, a Shallan e o Pattern e restante trupe em Oathbringer. 

 

publicado por Patrícia às 17:42 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
subscrever feeds
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anne bishop

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

pot-pourri de assuntos

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

sugestões à quarta

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

virginia woolf

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO