Ler por aí
 
28 de Outubro de 2015

 

O que farias para salvar o teu livro preferido? A que sabem os vossos beijos? Consegues imaginar um futuro de silêncio? Nós temos um cravo como símbolo da liberdade e da revolução, mas poderá uma simples flor criar uma tal onda que provoque uma revolução?
 
Esta é a história de um homem que perdeu o passado e o futuro. E é também a história de outro homem que perdeu o presente, que se perdeu no seu presente, e que acaba a tentar encontrar o passado do primeiro homem ajudando-se mais a si que ao outro. Ou é talvez a história de uma menina que por amor incondicional a um amigo improvável acaba por aprender a perdoar. Ou a história de uma mulher que com uma flor mudou, sem saber e durante algum tempo, o rumo de gentes. Ou a nossa história no mundo, um grito de alerta, uma chamada de atenção para que vejamos a paisagem, para que não percamos a cena completa por estarmos muito próximos das coisas*. 
 
Com uma critica social e política tenebrosamente certeira, com histórias dentro de histórias (ou talvez ao redor das histórias, nem sei) Afonso Cruz conseguiu fazer-me rir e (quase) chorar.
 
É o terceiro livro de Afonso Cruz que leio e sei como toda a gente adora o "Guarda-Chuvas" mas este Flores é o meu livro de AC. Apanhou-me de surpresa, enganou-me, enredou-me e encantou-me. Sou um bocadinho egoísta em relação aos livros: digo muitas vezes que me importa mais o que eu sinto e percebo de um livro do que aquilo que o escritor realmente quis transmitir. E aqui, com este Flores, isso não podia ser mais verdade. Até posso não ter percebido o que o escritor quis transmitir mas o que recebi foi tanto que isso chega. Por isso não tenho dúvidas que este vai ser o meu livro do ano. E que o vou reler muitas vezes (apetece-me começar a lê-lo outra vez). E depois do final dos Guarda-Chuvas, fiz finalmente as pazes com o Afonso Cruz.
 
 
* Frase roubada e adaptada duma certa página deste livro...



publicado por Patrícia às 21:27 link do post
26 de Outubro de 2015

De alguma forma perdi-me nos últimos meses. Nunca fui de comprar livrosdesenfreadamente, nunca fui de comprar as últimas novidades, nunca estiveatualizada em relação às novidades editoriais. E subitamente a Roda dos Livrosmudou isto tudo. Subitamente sei o que vai saindo, há sempre alguém que tem aúltima novidade, há sempre alguém que chama a atenção para um lançamento, parao último livro daquele escritor maravilhoso que adoro. E os ebooks vieram mudartambém as regras do jogo: é demasiado fácil comprar em ebook. Posso comprar osebooks em qualquer sítio, a qualquer hora. E os livros acumulam-se de uma formainsuportável.
Na semana passada, quando fui ao encontro do LEYA em Grupo, vim de lá com 4livros novos. Dois (Os Anagramas de Varsóvia, de Richard Zimler, e o Hobit, deTolkien) foram livros que “comprei” através do Liga e Ganha e que uma amiga(que me tinha feito o favor de os ir levantar ao Jornal) me levou, um foi olivro que pedi para me comprarem porque não pude ir ao lançamento (O últimoPoeta, de Paulo M. Morais) e outro foi o de Mia Couto que não resisti a comprar(As mulheres de cinza).
A sério, ando descontrolada e detesto isso. Eu não preciso comprar livrosque não tenho tempo de ler e eu não tenho tempo de ler os livros que tenho láem casa e que QUERO ler.
Não é que gaste dinheiro que não possa gastar, todas as comprar que tenhofeito têm descontos enormes ou têm sido feitas com dinheiro acumulado em cartãomas detesto esta sensação e andar perdida no meio dos livros.

Portanto está absolutamente decidido: até ao final do ano só tenhoautorização para comprar o livro do LEYA em Grupo do mês de Dezembro (o deNovembro já tenho – é o O teu Rosto será o último, de João Ricardo Pedro).
publicado por Patrícia às 13:15 link do post
tags:
22 de Outubro de 2015



Foi maravilhoso reler a Confissão da Leoa e ir falar do livro com o próprio Mia Couto à Leya em Grupo. Ler Mia Couto é espectacular mas ouvi-lo é qualquer coisa de fantástico. (estou a ficar sem adjectivos mas tem que ser...)
Enfim, "gostei imenso"
publicado por Patrícia às 09:56 link do post
17 de Outubro de 2015


Qualquer leitor terá os seus livros marcantes. Livros que os mudam enquanto gente, que os obrigam a crescer enquanto leitores e fazem com que todos os livros que  depois chegam à sua vida sejam "julgados" de uma forma mais crítica. Foi isto que este livro fez por mim. Mudou-me enquanto leitora.
Levei mais de um mês a lê-lo e isso, por si só, é estranho. Mais estranho ainda é não ter pensado, em nenhuma das quase 500 páginas, em desistir, fechá-lo e deixá-lo abandonado na estante. Depois de ter iniciado esta leitura era impossível deixar estar história fechada dentro de um livro. 
Muitas vezes foi difícil. A maravilhosa escrita do João de Melo não disfarça a violência, a tristeza, a angústia e acima de tudo a falta de esperança desta gente que procura a felicidade sem deixar as lágrimas de lado.
Tudo o que possa dizer acerca deste livro será redutor, basta pensar que a 25ª edição mostra que já venceu a prova do tempo, dos leitores de todas as idades e da crítica. Quanto a mim fico feliz por ter superado esta leitura e fico orgulhosa por, uma vez mais, constatar que tão bem se escreve em Português. 

Este é um livro com muitas vozes apesar de ter em Nuno, no seu percurso, um fio condutor. Nuno, o gémeo que contra todas as expectativas, sobreviveu, viveu os primeiros anos de vida (a que dificilmente se pode chamar infância) num inferno perdido numa ilha dos Açores. Sob o jugo de um homem violento e de uma mãe execrável (e é a "mamã" que eu não consigo compreender, perdoar)   vê na vinda para um seminário do continente a fuga impossível a uma vida miserável. Nuno e Amélia (uma menina-mulher que nem o deus do convento soube apoiar) pagam caro o preço da fuga à vida de trabalho e ignorância a que o patriarca da família os tinha destinado. 

Relato emotivo ou documento histórico, este é sem dúvida um livro para ler pelo menos uma vez na vida.
publicado por Patrícia às 22:17 link do post
17 de Outubro de 2015


Se quiserem vir também é saber como Aqui

E assim será o meu fim de semana maravilhosamente chuvoso e dedicado a reler "a confissão da leoa"
publicado por Patrícia às 14:16 link do post
15 de Outubro de 2015

Eu folio
Tu folias
Ele folia
Nós foliamos
Vós foliais
Eles foliam

Comigo é mais: eu foliarei (lá para meados da próxima semana) e vocês?

(eu sei, um trocadilho demasiado fácil :) )
publicado por Patrícia às 11:48 link do post
15 de Outubro de 2015

 

É isto.
publicado por Catarina às 09:28 link do post
14 de Outubro de 2015

mas o que eu queria era ter ficado em casa a ler.

publicado por Catarina às 09:15 link do post
13 de Outubro de 2015

Mas livros sim. E conversa boa. Como se pode ver no vídeo abaixo do canal Dignidade não cabe aqui onde se fala de leituras e de metas de leitura. Assino em baixo.

Sim, Estou lendo menos e daí?



Vale a pena conhecer a Nayara no canal e no blog
publicado por Patrícia às 17:47 link do post
tags:
13 de Outubro de 2015

"O coro dos defuntos", de António Tavares

(Este título promete tannnnto. Adoro!)
publicado por Patrícia às 13:26 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
subscrever feeds
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO