Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ler por aí

Ler por aí

Dia 20 – Melhor citação (diálogo) , 45 Days Book Challenge**

Vou passar este à frente, ok? É que não faço a mais pequena ideia em que livro devo ir procurar aquele que é o melhor diálogo. Se um dia o encontrar venho cá editar o post (ou então não).
Há imensas vezes em que estou a ler um livro e acho algumas passagens brutais, chego até a sublinhá-las se tiver um lápis por ali, até penso que devia escrever aquilo em qualquer lado para não me esquecer, mas depois viro a página e nunca mais me lembro de lá voltar!

** Não passei estes dias "à frente" simplesmente porque o desafio não foi construido por mim e achei que não o devia fazer.

Até lá abaixo, de Tiago Carrasco



Sinopse
Em 2010, o jornalista Tiago Carrasco e dois amigos, o fotógrafo João Henriques e o cameraman João Fontes, decidiram largar os seus empregos mal pagos e concretizar um velho sonho: atravessar o continente africano de automóvel. O pretexto que arranjaram foi o Mundial de Futebol, que se realizava em África pela primeira vez, mas a viagem seria muito mais do que um longo passeio destinado a celebrar o desporto mais popular do mundo - seria, sim, o maior desafio da vida destes três homens.


Este é o relato das emoções e das peripécias que Tiago Carrasco e os seus companheiros de estrada viveram ao longo desses 150 dias alucinantes, passados no deserto e na selva, em aldeias perdidas e nos bairros das lata de grandes cidades, em lugares vergados à pobreza e à violência e noutros onde a esperança subsiste apenas por milagre. Até Lá Abaixo descreve-nos esta epopeia de 30 mil quilómetros, de Marrocos à África do Sul, passando por 21 países, que é também uma viagem interior aos nossos medos e à nossa capacidade de superar as maiores contrariedades. Uma lição de sobrevivência. E uma aventura inesquecível.
Acabei. E gostei imenso. Este livro fala de uma viagem de Lisboa até à Africa do Sul. Tiago Carrasco, na primeira pessoa, conta-nos algumas peripécias vividas por ele e por dois amigos nesta viagem, algo louca, algo ingénua e sem dúvida muito interessante.
"Lembrei-me das palavras de uma colega de trabalho, antes de partirmos. Disse-me que uma viagem como esta não podia ser feita com tanta inocência. Quando lhe respondi que a inocência podia ser um trunfo, ela rira-se."
Como convencer alguém a ler este livro? Não sei bem. Simplesmente sei que o vou oferecer a algumas pessoas, o vou emprestar a outras e não me esquecer de o recomendar a outras tantas. Para quem gosta de África, para quem gosta de viagens, para quem gosta de aventuras, para quem gosta de ler, este é um bom livro. É um testemunho divertido, real, emocionado.

Pág. 1/3