Ler por aí
 
24 de Junho de 2009

Sinopse: António e Cleópatra - O Primeiro Homem de Roma VII
McCullough, Colleen
Colleen McCullough continua a sua série sobre os Senhores de Roma com a crónica de uma das mais famosas histórias de amor da História. Após a morte de Júlio César, Marco António, o seu ambicioso e impetuoso primo e Octaviano, o filho adoptivo de César e seu herdeiro, concordam em administrar conjuntamente o extenso império: António no Oriente e Octaviano no Ocidente. Este não é contudo um acordo feliz e a rivalidade de ambos na tentativa de se tornarem os senhores de Roma é o tema que prevalece durante toda esta saga fascinante. Após uma desastrosa campanha para submeter os Partos, António vira-se para Cleópatra, a enigmática e fabulosamente rica rainha do Egipto, com o objectivo de angariar fundos para a sua arca de guerra. Determinada a fazer de Cesarião, o seu filho com Júlio César, o senhor de Roma, Cleópatra seduz António e consegue rapidamente torná-lo tão moldável como barro macio. Entretanto, com a ajuda da mulher e de Marco Agripa, Octaviano solidifica a sua posição em Roma e na Itália. Instigado por Cleópatra, António reúne as suas forças na Grécia para invadir a Itália.

Definitivamente um grande livro para quem gosta de romances históricos. A beleza de um livro destes é que faz de uma historia antiga uma nova história. Sabemos quase tudo de Cleópatra, a mais famosa rainha do Egipto, de Marco António, o grande derrotado da história de Roma e de Octaviano, perdão, César Augusto, o primeiro homem de Roma, o primeiro imperador de Roma.
O sétimo livro desta saga, desta vez com três protagonistas. Cleópatra, Marco António e Octaviano. A ligação entre os 3 é Júlio César. Após a sua morte, Júlio César ainda é decisivo no destino de Roma. Fazendo de Octaviano seu filho, a titulo póstumo, dá-lhe o poder do seu nome e a riqueza suficiente para que este possa disputar com Marco António o titulo de Primeiro Homem de Roma, o primeiro entre iguais.
Apesar de ser mãe do filho de Júlio César Cleópatra não entente Roma e a seu desejo de fazer de Cesarião Rei dos Reis leva-a a usar o amor de Marco António, o grande ausente do testamento de César, para atacar Roma.

Já tinha saudades de um bom romance histórico e li este livro apenas numa semana. É muito bom aprender assim!!!
publicado por Patrícia às 19:34 link do post
19 de Junho de 2009




Sebastian
Bem-vindos a Efémera, onde a terra se altera em resposta aos mais profundos desejos e medos dos seus habitantes.
Há muito tempo, Efémera foi dividida em inúmeras paisagens mágicas ligadas somente por pontes. Pontes que podem levar quem as atravessa para onde realmente pertence e não ao local onde pretende chegar. Numa dessas paisagens habitada por demónios e onde a noite impera, o meio-íncubo Sebastian delicia-se em prazeres obscuros. Contudo, aguarda-o um destino devastador. Uma aprendiza descuidada libertou um mal antigo que agora se agita – e o reino de Sebastian poderá ser o primeiro a sucumbir… Mas em sonhos, ela chama por ele: uma mulher que não deseja mais do que ser amada e sentir-se protegida – uma mulher pela qual ele anseia mas que sabe poder vir a destruí-la. Ela é Lynnea, e o seu improvável romance está no centro da batalha que se trava entre a luz e as trevas.



Belladonna
Bem-vindos a Efémera, onde a terra se altera em resposta aos mais profundos desejos e medos dos seus habitantes.
Há muito tempo, Efémera foi dividida em inúmeras paisagens mágicas ligadas somente por pontes. Pontes que podem levar quem as atravessa para onde realmente pertence e não ao local onde pretende chegar.Uma a uma, as paisagens de Efémera estão a cair na sombra. O Devorador do Mundo está a espalhar a sua influência, manchando as almas das pessoas com dúvida e medo, alimentando-se das suas emoções mais negras. A cada vitória o Devorador aproxima-se da conquista final.Apenas Glorianna Belladonna possui a habilidade de frustrar os planos do Devorador. Mas os seus poderes foram mal interpretados e incompreendidos. Determinada a proteger as terras sob o seu domínio, Glorianna defrontará o Devorador sozinha se assim estiver no seu destino.



Dois livros, uma história. Mais uma de Anne Bishop.
No primeiro volume conhecemos Sebastian e Lynnea e todo um mundo saído da imaginação da autora. Um mundo dividido em paisagens que se moldam pela vontade da paisagista, que respondem aos apelos e desejos do seu coração, que reagem e interagem com a sua paisagista e com os habitantes que lhe pertencem. O mundo é Efémera, a paisagista Belladonna e Sebastian, um dos habitantes do Antro de devassidão que é, talvez, a mais negra das paisagens controladas por Belladonna.
Lynnea tem um desejo e Sebastian está no seu caminho... se ambos se conseguirem encontrar e seguir o coração. Lynnea vive na Luz, Sebastian no paisagem mais obscura que parece ter sido criada à sua medida....
Mas Éfemera está em perigo e este par improvável terá um papel importante na luta contra o mal.
Belladonna é o segundo livro da história... decidir-se-à a guerra contra o Ente, o Devorador do mundo que interfere não só nas paisagens de Belladona mas com o resto de Efémera.
Não tão negra, não tão sensual, esta história agradou-me mais que a triologia das Jóias Negras. Principalmente pela personagem principal, Glorianna Belladonna!
Glorianna Belladonna, a paisagista, é uma mistura de luz e escuridão, e é essa dualidade que lhe dará a capacidade para enfrentar o Devorador do Mundo, o Ente... maligno quanto baste consegue libertar-se e vaguear pelo mundo tirando partido do medo, das dúvidas, da inveja, semeando uma pequena planta de escuridão e mal nos corações. e como efémera reage aos desejos do coração há o perigo real de se tornal completamente maligna. Para enfrentar o mal que se libertou, há uma paisagista proscrita que conta com a ajuda de Lee, o construtor de pontes, de Sebastian, o meio-íncubo, de Nádia , a paisagista, de Michael, o mago, e de mais alguns amigos...
Belladona (curioso beladona ser um veneno) é a chave, o coração para vencer o mal. Ela própria o sabe. E sabendo que é diferente, que é uma verdadeira "guia do coração, e que o medo, o preconceito não permitirá que as restantes paisagistas a ajudem. No fundo sabe que terá que ser ela sozinha, a enfrentar o devorador do mundo. O "como" é que me surpreendeu e fascinou.
Afinal, porque é que há luz nas trevas e trevas na luz?
publicado por Patrícia às 22:04 link do post
10 de Junho de 2009



SINOPSE: Zoey Redbird tem 16 anos e vive num mundo igual ao nosso, com uma única excepção: os vampyros não só existem como são tolerados. Os humanos que os vampyros "marcam" como especiais entram na Casa da Noite, uma escola onde se vão transformar em vampyros ou, se o corpo o rejeitar, morrer. Para Zoey, apesar do medo inicial, ser marcada é uma verdadeira bênção. É que ela nunca encaixou no mundo normal e sempre sentiu que estava destinada a algo mais. Mas mesmo na nova escola a jovem sente-se diferente dos outros: é que a marca que a Deusa Nyx lhe fez é especial, mostrando que os seus poderes são muito fortes para alguém tão jovem. Na Escola da Noite, Zoey acaba por encontrar amizade e amor, mas também mentira e inveja. Afinal, nem tudo está bem no mundo dos vampyros e os problemas que pensava ter deixado para trás não se comparam aos desafios que tem pela frente.

Eu devia saber que já não tenho idade para ler este tipo de livro.
Completamente Harry Potter, mas sem a genialidade e originalidade presentes nos livros naquela saga.
A história de Zoey é banal. Ela é a “tal”, a única, a melhor, a mais simpática, ect, ect. Na nova escola, encontra amigos, inimigos, vence batalhas, enfim… o costume.
Mais uma história de uma sociedade matriarcal, onde há a heroína que tem poderes especiais, que é a favorita da deusa, que consegue mudar as coisas! Para Zoey é tudo demasiado fácil: imediatamente encontra os amigos certos, que fazem tudo por ela; encontra o vampyro da vida dele, que por acaso é o jeitoso ex-namorado da má da fita!
Os personagens são básicos e não me consigo identificar com nenhum. Irritante é o facto de serem todos lindos e maravilhosos.
A embirração da autora com a Sarah Jessica Parker, com o Tom Cruise e com outros actores conhecidos é completamente despropositada. Aliás, quem é que quer ler um livro de fantasia onde aparecem nomes de personalidades publicas? ah e não esquecer que os "grandes" da cultura mundial são Vampyros...
O livro seria o ideal para um publico infantil/juvenil não fosse o facto de haver uma certa obsessão com sexo oral (?!)! Assim é um livro pouco adequado para crianças, engraçadito para adolescentes e sem interesse para os demais.
Resumindo: não gostei!
publicado por Patrícia às 11:50 link do post
03 de Junho de 2009

Gosto de fantasia. E esta colecção, esta "trilogia de Sevenwaters é algo de delicioso para quem gosta de fantasia e de contos de fada...
A Filha da Floresta é o primeiro livro da trilogia Sevenwaters, da autoria de Juliet Marillier.
Sinopse: Passada no crepúsculo celta da velha Irlanda, quando o mito era Lei e a magia uma força da Natureza, esta é a história de Sorcha, a sétima filha de um sétimo filho, o soturno Lorde Colum, e dos seus seis amados irmãos.
O domínio de Sevenwaters é um lugar remoto, estranho, guardado e preservado por homens silenciosos e Criaturas Encantadas que deslizam pelos bosques vestidos de cinzento e mantêm armas afiads. Os invasores de fora da floresta, os salteadores do outro lado do mar, os Bretões e os Viquingues, estão todos decididos a destruir o idílico paraíso. Mas o mais urgente para os guardiões é destruir o traidor que se introduziu dentro do domínio: Lady Oonagh, uma feiticeira, bela como o dia, mas com um coração negro como a noite. Oonagh conquista Lorde Colum com os seus sedutores estratagemas,; mas não conseque encantar a prudente Sorcha. Frustrada por não conseguir destruir a família, Oonagh aprisiona os irmãos num feitiço que só Sorcha pode quebrar. Se falhar, continuarão encantados e morrerão!
Então os salteadores chegam e Sorcha é capturada, quando está apenas a meio da sua tarefa... Em breve vai ver-se dividida entre o seu dever, que lhe impõe que quebre o encantamento, e um amor cada vez mais forte, proibido, pelo senhor da guerra que a capturou.
Lembro-me que a primeira vez que li este livro o fiz num fim de semana em frente à lareira. A história de Sorcha e Red encantou-me e fiquei desejosa de conhecer as histórias seguintes.
O "Filho das sombras" não me decepcionou sendo dos 3 o meu favorito.
"Neste livro a personagem principal é Liadan, filha de Sorcha (personagem principal do livro anterior desta trilogia, A Filha da Floresta). Liadan é irmã gémea de Sean e tem uma irmã mais velha, Niamh. Liadan possui o dom da Visão e o poder de comunicar telepaticamente com o seu irmão Sean. Devido à magia presente no seu sangue, Liadan terá de enfrentar velhos e novos inimigos da sua família, numa luta pela sua sobrevivência e pela vida daqueles que mais ama."
O amor improvável entre Liadan e Bran, que abre caminho à concretização de uma profecia,cujo defecho se conhece na "Filha da profecia" o mais sombrio e triste dos três livros.
"Neste livro a personagem principal é Fainne, a filha de Ciarán e Niamh. Fainne é neta da poderosa feiticeira negra, Lady Oonagh mas também é neta de Sorcha, a bondosa heroína do primeiro livro "A Filha da Floresta". Neste livro, Fainne terá de desvendar o enigma de uma profecia e optar pelo bem ou pelo mal, pelo ódio ou pelo amor, numa verdadeira aventura recheada de mistérios, guerras, amor e magia."
Estes são do tipo de livros que se lê bem em qualquer parte, seja na praia ou numa esplanada e que nos deixa com um sorriso nos lábios. Livros leves, sem grande mistério, histórias de fadas, bruxas, missões impossíveis, charadas, romance, amizade. Enfim, os chamados "livros de gaja" que tantos homens gostam de ler (mas poucos o admitem) e que têm o poder de nos fazer acreditar.... e isso é algo que não deve ser menosprezado!
Eu sou, definitivamente, fã desta escritora.
publicado por Patrícia às 16:27 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
subscrever feeds
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO