Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ler por aí

Ler por aí

Anjos e Demónios- Dan Brown


Andei a (re)ler este livro para, claro, ir ver o filme. Como já o tinha lido há bastante tempo já não me recordava da história com todos os pormenores.
Dan Brown não é, de todo, um escritor de que goste muito. Li todos os livros dele mas nenhum me despertou especial interesse. No entanto os livros dele são leves, não exigem especial atenção, nem concentração, pelo que são ideais para ler nos transportes públicos, na praia, numa esplanada à beira-bar.
Mas este "Anjos e Demónios" é interessante q.b! Os protagonistas são Robert Langton e Vittoria Vetra, o palco é o Vaticano, o tema a crise no seio da Igreja Católica a e luta entre a teologia tradicional e a ciência.
A morte de um papa, que não pode ser autopsiado, a morte de um cientista que também é padre, e cuja fé o leva a cientificamente tentar provar a existência de Deus e a criação do Universo.
Robert, simbologista, é chamado ao CERN, para tentar perceber a morte do Padre/Cientista. De lá vai para o Vaticano, na companhia da filha adoptiva do padre, Vittoria, para tentar encontrar a anti-matéria roubada e evitar o aniquilamento da cidade do Vaticano. Depois a acção é vertiginosa. Seguindo as pistas do antigo caminho dos Illuninati, passando pelos arquivos secretos do Vaticano, na noite do conclave para eleger o novo Papa, tentam encontrar os 4 preferetti desaparecidos.
Uma crise de fé assola o mundo e esta ameaça pode acabar de vez com a Igreja Católica. Serão os Illuminati os carrascos? Ou conseguirá a Igreja, mais uma vez, ganhar a batalha?

Apesar de tudo este livro levanta algumas questões interessantes. Estando a igreja católica em plena crise (e dificilmente de lá sairá) é bastante actual a questão que se põe sobre a necessidade de evolução da igreja. Deverá a Igreja católica evoluir no sentido imposto pela ciência actual ou manter-se fiel a uma tradição para muitos obsoleta? Será a necessidade de "ter fé" o suficiente para garantir a continuidade desta igreja? Para muitos a incompatibilidade entre religião e ciência é incontornável, para outros é uma união perfeita. A união que permite respostas coerentes, lógicas, científicas e, ao mesmo tempo, mantendo aquela fé que nos permite ter esperança e que é o garante de vida para tantos.
Este livro permite várias interpretações. Podemos vê-lo como uma "prova" da corrupção do Vaticano, da podridão existente nas altas instancias da igreja, ou como um rasgo de esperança da junção da igreja/ciência. Cada um o verá da forma que entender. E essa é, sem dúvida, uma das mais-valias deste livro.

Pessoalmente gostava que a trama tivesse explorado um pouco mais os "arquivos secretos" do Vaticano. Mas isso já é a minha atracção pelas bibliotecas....

Agora é esperar mais uns dias e ir ver o filme!

O Jogo do Anjo (Carlos Ruiz Zafón)

Sinopse
Na Barcelona turbulenta dos anos 20, um jovem escritor obcecado com um amor impossível recebe de um misterioso editor a proposta para escrever um livro como nunca existiu a troco de uma fortuna e, talvez, muito mais.
Com deslumbrante estilo e impecável precisão narrativa, o autor de A Sombra do Vento transporta-nos de novo para a Barcelona do Cemitério dos Livros Esquecidos, para nos oferecer uma aventura de intriga, romance e tragédia, através de um labirinto de segredos onde o fascínio pelos livros, a paixão e a amizade se conjugam num relato magistral.
O Jogo do Anjo de Carlos Ruiz Safón.

Excerto
«Um escritor nunca esquece a primeira vez em que aceita umas moedas ou um elogio a troco de uma história. Nunca esquece a primeira vez em que sente no sangue o doce veneno da vaidade e acredita que, se conseguir que ninguém descubra a sua falta de talento, o sonho da literatura será capaz de lhe dar um tecto, um prato de comida quente ao fim do dia e aquilo por que mais anseia: ver o seu nome impresso num miserável pedaço de papel que certamente lhe sobreviverá. Um escritor está condenado a recordar esse momento pois nessa altura já está perdido e a sua alma tem preço.»


Acabei ontem à noite de ler este fabuloso livro e ainda estou fascinada com esta história. Já era fã do Carlos Ruiz Zafón desde que li a Sombra do Vento e agora, após este Jogo do Anjo, estou definitivamente rendida a este escritor.
Uma forma de o descrever é com uma frase que ouvi à R. : “um escritor que escreve poesia em prosa”. Um escritor que escreve sobre escritores, sobre livros, sobre histórias, coisas que me fascinam e que tornam os livros deste escritor ainda mais interessantes.
No jogo do anjo encontramo-nos com David Martin, um escritor, que narra a sua história. David é levado ao Cemitério dos Livros Esquecidos pelo Sr. Sampere (avô de Daniel, o protagonista da Sombra do Vento), e também de lá traz um livro. Nessa altura já David está a trabalhar para o “patrão”, um ser estranho que tem como imagem de marca um anjo, num projecto ousado que lhe vai mudar a vida. Numa cadência de acontecimentos, onde a realidade se mistura com a ilusão, David é o principal peão de um jogo cruel, de crimes e mentiras, de amores e paixões. O valor da amizade está presente na pessoa de Isabella e mesmo de Pedro Vidal, que por verdadeira amizade ou puro sentimento de culpa aceita qualquer coisa de David.
Apesar de alguns tópicos em comum com o anterior livro, este não necessita do primeiro para “viver” e ser um grande livro.
Definitivamente aconselho a que seja lido e saboreado!

O festim dos Corvos - George R.R Martin


Já está, já li mais este volume das "Crónicas de gelo e fogo". Tal como tinha escrito anteriormente achei-o um compasso de espera.
É verdade que agora há mais personagens a ter em conta, a história começou a virar mais uma vez, mas não sei que isso é o melhor para a saga. Faço um esforço para me lembrar que os livros impares são a primeira metade do livro original e que portanto só devo fazer uma critica ao volume nos livros pares. Porque se fosse fazer essa critica agora diria que estou a ler um livro que não pertence à mesma saga. E não me parece que isso seja assim tão bom. Estava à espera de mais, de muito mais deste livro. Estava no minímo à espera de uma continuação da fabulosa história que George R.R. Martin nos vem contando. Agora começo a perguntar-me se isto tem realmente um fim (coerente) ou se simplesmente vão continuar a morrer os personagens príncipais e novas personagens nascem....
Senti a falta das minhas personagens favoritas. Os saltos (já habituais) entre as várias personagens/histórias não me agradaram desta vez.
Mas como disse, vou dar mais uma hipótese e ler o 8º livro quando ele estiver disponível...